O cantor Johnny Hooker participa do programa papo de música e fala sobre artistas que não se posicionam e como a música pode servir para o debate social.

Na na entrevista podemos conhecer um pouco mais sobre o artista e o que ele pensa sobre o momento atual e a transformação pela arte.

Ele conta para jornalista Fabiane Pereira que demorou um tempo para chamar o seu lugar no mundo e que foi a música que o ajudou.

Hooker ressalta a importância de artistas se posicionarem. Segundo ele, “Eu vejo as pessoas querendo se encaixar e tendo medo de tocar em certos assuntos. Existem certas coisas que vão contra os princípios, você ficar calado. Eu gostaria de ver mais artistas mainstream se posicionando”.

Sobre como a música pode ajudar a mudar as coisas, ele é enfático, ““A música, no Brasil, sempre puxou a sociedade pra frente, desde o Tropicalismo, do samba, desde Chiquinha Gonzaga, sabe? As questões da sociedade brasileira foram sendo discutidas através da cultura. Não à toa, eles têm tanto medo da cultura”.

De seu lado compositor, Johnny revela, “Estar apaixonado é melhor para escrever. Acho que existe toda uma romantização em torno de estar muito triste, como se precisasse estar triste para escrever”.

Ele também falou de suas influências musicais que vão de Marilyn Manson à Madonna, do fato de tocar em coisas que ainda são consideradas tabús e sobre artistas como Pabllo Vittar, Gloria Groove e Liniker que foram responsáveis por micro revoluções.

A entrevista na íntegra, pode ser conferida pelo link https://www.youtube.com/watch?v=MHA4b0354S8