Texto e Entrevista por André Rossanez

Nanno V é um super cantor e compositor de mão cheia. Ele é a nova aposta do Pop Nacional, da Universal Music e do Portal Me Gusta, e lançou seu EP “Te Levar” com produção de Bruno Martini.

Ele é junto do Melim, responsável por compor o hit “Gelo”, além de ter sido coautor de “Eita” gravada por Pedro Sampaio. E tive o privilégio de entrevistar por telefone o artista e assim conhecer um pouco mais sobre sua trajetória, sua arte, seu novo trabalho e a parceria com Bruno.

Saiba o que conversamos na íntegra e conheça melhor este grande cantor cheio de talento, simpatia e com uma voz linda, que canta músicas tão bacanas e que trazem tanta identificação com o público.

Portal Me Gusta: Como surgiu seu amor pela música?

Nanno V: Basicamente eu comecei na igreja, sabe? Então eu era bem pequenininho, tinhas uns 9, 10 anos, minha mãe me levava pra igreja e eu gostava muito da parte da música. Era a parte que eu mais gostava do louvor alí, aquela coisa toda. Acabei me apaixonando e entrando numa aula de violão na época. Depois sai da igreja, mas a música continuou na minha vida depois na adolescência. E aí veio o Rap, veio outras vertentes. E meu irmão tocava na noite, a família do meu pai é de músicos. Então tudo isso tá bem ligado. Eu sou ligado desde novinho na música.

Me Gusta: Seu apelido Nanno veio na adolescência. Como surgiu o apelido e a escolha dele como nome artístico?

Nanno V: Na real, meu nome é Juliano e é um nome muito normal, a gente achava. E na época eu fazia parte da banda do meu irmão e ele me apelidou de Nanno. E achei Nanno maneiro. E o V, veio depois numa transição. Era Nano com um N só e tinha outro Nano e eu falei ‘vou por Nanno com dois Ns’ e o V vem de Viana, meu sobrenome. Então ficou Nanno V, ou Nanno ‘Vi’ como fica nas plataformas. E esse V foi ideia do meu empresário também.

Me Gusta: Como se dá seu processo de composição e suas inspiração?

Nanno V: Esse processo acontece dependendo do que a gente tá alí vivendo. E tem diferença de compor pro pessoal e compor pra mim. Então meu pessoal assim, gosto muito de escrever em cima de um beat, de alguma coisa que me inspire. Um dia feliz ou um dia triste. Então é realmente, aquele momento que você tá vivendo, geralmente é o momento em que você vai escrever. As vezes a música vem em 5 minutos, e você escreve ela toda porque é alguma coisa que você tá . Acho que a música, quando você sente, você tá sempre a frente porque é uma coisa cm a qual as pessoas vão se identificar também.

Me Gusta: Como foi escolher o repertório do novo EP “Te Levar”?

Nanno V: A gente tinha algumas músicas no estúdio, eu e o Brunão e o Bruno (Martini) ajuda muito, tipo ‘essa é legal, vamos escolher essa’. Então a gente tem muito essa sinergia juntos pra escolher música. Sempre pergunto pro Bruno e sempre tô perguntando pro pai dele também, o Gino, que é guitarrista do Double You, então de hit o cara entende. Então meio que pego essas referências deles e escuto muito também, porque foge um pouco daquilo que você sabe e é sempre bom aprender. E a escolha do EP, a gente buscou escolher músicas que se ligassem umas nas outras. E escolhi essas músicas, porque o EP fala de relacionamentos, alguns bons, outros mais conturbados e fala muito sobre o amor também. E acho que uma música encaixa uma na outra.

Me Gusta: O single “Te Levar” dá título ao EP. Como surgiu esta música? Como surgiu a parceria com o Bruno Martini e como foi trabalhar com ele, que produziu o EP?

Nanno V: Essa música foi escrita por mim, pelo Viana e pelo Jahma e foi numa ocasião, em que a gente tava parecido juntos, os três estavam num término de relacionamento, de estar sofrendo. Até por isso tem aquilo de ‘vamos nos perdoar, vamos nos resolver’, tem daquilo da segunda chance, do ‘pra te levar’. E o Bruno, ele tem 7 discos de diamante, ele é imenso, ganhou todos os prêmios, que já trabalhou com Timbaland, o no hall que ele tem, essa experiência toda. Ele é um cara muito importante e super colaborativo pra minha vida, não só pra carreira, mas pra vida também, como pessoa e como mentor. O Bruno é muito aberto e trabalhar com ele é uma experiência incrível. A gente se deu super bem e ai continuar trabalhando junto e espero fazer muitas coisas juntos com o Bruno.

Me Gusta: Em “Te Levar”, você trouxe um pouco de Samba pra música. Como surgiu esta ideia?

Nanno V: A “Te Levar”, quando levei para o estúdio estava só no violão e ela tem uma vibezinha no violão meio Sambinha e aí a gente pensou em por um Pop junto. Então no refrão ela vira meio que um Trap e ela tem o Sambinha. E o Samba, a minha família por parte de pai, é toda de seresteiros, apesar de não trabalharem com isso, mas eles têm uma banda. Minha tia toca piano e todos eles tocam Samba, tem essa levadinha. E meu irmão, cresci ouvindo ele cantar e tocar nos bares, nas noites e ele sempre cantou Samba também e teve essa levada. Eu acho que o Samba está um pouco por dentro da minha vida, apesar de eu não escutar tanto hoje em dia.

Me Gusta: Nos últimos tempos, vem aparecendo cantores Pop muito bacanas como Vitão, Melim, Nanno V, Jão etc. Como você vê atualmente o cenário Pop no Brasil?

Nanno V: O Pop hoje, muita gente diz que é a nova MPB. É uma música mais montada, mais bonita. O Jão, esses dias eu me peguei cantando música dele sem perceber, então é muito legal ter isso, essa questão de você estar alí e o artista lançam coisas novas e você se identifica. Acho que leva mais pra esse lado mesmo, como se fosse uma nova MPB com os elementos eletrônicos, aqueles beats. Então é o sentimento do artista, com as letras mais elaboradas, mais bonitas e com as batidas. Acho que o Pop tá indo por esse caminho.

Me Gusta: Estamos num momento complicado de Pandemia e Quarentena, onde não se pode fazer shows e eventos. Como está sendo pra você, pessoalmente e como artista, lidar com isso?

Nanno V: Tem o lado bastante complicado. Eu gostaria muito de estar no estúdio, e de estar aqui fazendo esta entrevista de perto e ter aquela conexão. Acho muito importante esta conexão, de você estar em estúdio, acompanhar e estar indo viajar pra acompanhar o trabalho. Isso faz falta. Sinto falta também das produções, de estar no estúdio com quem entende. Querendo ou não, agente quer compor e quer gravar, e eu acabei baixando aqui o ‘Garage Band’ e tô arriscando algumas produções em casa sozinho, pra criar mesmo, não é profissional, mas só pra gente ir saindo daquela rotina e poder trabalhar um pouco em casa. É importante distrair a cabeça e não deixar desfocar e de deixar levar por essa pandemia e continuar trabalhando. E tem o lado bom, que é você ter mais tempo pra família, pra poder conversar as vezes em chamada de vídeo com algum amigo, trocar uma ideia, falar com quem você não fala a tempo e ter o tempo de responder todo mundo. E muitas composições. Está saindo muita composição na quarentena.

Me Gusta: Você já teve músicas gravadas por artistas como Melim, 3030 e Pedro Sampaio. Como é pra você ouvir suas canções nas vozes de tanta gente bacana e fazendo sucesso?

Nanno V: É muito bom. Por exemplo a “Gelo”, quando o Diogo me ligou e falou ‘cara, gravamos e tá linda, você precisa ouvir, vou te mandar’, foi emocionante pra mim ouvi três puta intérpretes cantando uma coisa que você escreveu também. E junto com eles, eu tive o prazer de escrever com o Melim. Isso tudo é muito gratificante pra mim. Quando um cara chega num nível desse assim, ele tá realmente realizado.

Me Gusta: Como é sua relação com os fãs?

Nanno V: O relacionamento com os fãs agora, por eles estarem escrevendo bastante e trocado ideia, tenho bastante fã compositor. E eles tão sempre trocando essa ideia, e procuro sempre trocar uma ideia com eles também e sobre isso. E agora tô tendo mais tempo e as vezes faço chamada de vídeo com outro compositor e acabo conhecendo outras músicas, outras coisas bem legais, que valem muito a pena também.

Me Gusta: Dentro do que pode adiantar quais os próximos passos da carreira?

Nanno V: A gente tá pensando em muita coisa. Eu tô pensando em vídeos, continuo compondo, tenho compondo pra outros artistas também. Vai vir bastante novidade, quem sabe na voz de alguma dessas Divas do Pop, que não posso abrir pra vocês agora, mas em breve vou abrir. Tenho feito bastante coisa aqui, tendo bastante ideia legal pra estar expandindo e mostrando o trabalho pra mais pessoas e acho que isso é muito importante também. A gente tá nesse foco agora, de crescer, trabalhar e expandir pra mais pessoas.