O compositor e cantor de MPB José Avelino Atalla, após 12 anos relança seus dois álbuns no Spotify, “Lua Nova” e “Memória” resgatando assim suas músicas com arranjos e letras muito belos e um som sensível e marcante. Um artista que vale a pensa conhecer e ouvir.

Com suas canções podemos notar um cronismo musical e sobre isso. Avelino conta “O processo criativo é muito misterioso, sem demagogia. A impressão que eu tenho é que a música quer vir ao mundo e os compositores, somos apenas o veículo. É claro que tem muito de técnica e tudo o mais, mas não creio que alguém consiga explicar exatamente”.

O primeiro disco, “Lua Nova” foi lançado em 2004 e possui uma sonoridade diferente do outro, o que se explica pelo fato de que, com exceção de “Laura”, todas as canções foram compostas no final dos anos 70, início dos 80 e ao gravá-las José fez, segundo ele, “questão de respeitar ao máximo a sonoridade e as ideias de arranjo originais”.

José-Avelino-1

A respeito do segundo disco “Memória” de 2008, o cantor diz que este “já tem uma sonoridade mais madura, mais parecida com o que sou hoje, musicalmente falando”. E uma faixa de destaque é que dá nome ao álbum. Para ele, “Na letra de ‘Memória’ percebemos um marcante jogo de palavras que diz ‘Abro os meus porões, jorram borbotões de antigas histórias’. É uma canção feita para meu pai. Fala da saudade que tenho dele e das histórias que vivemos juntos. Quando fazia, imaginava que ele ouviria lá de onde estivesse e reconheceria cada verso.”

Lançar seus trabalhos nas plataformas musicais, deu um alcance maior, inclusive a lugares não antes imaginados pelo cantor.”É muito forte a compreensão de que qualquer pessoa no planeta pode me ouvir. Ontem um amigo me mandou uma mensagem de Portugal dizendo que estava ouvindo meu álbum. Nunca imaginei isso”, diz ele.

Ouvir estes álbuns é uma experiência muito agradável e que nos deixa leves. As canções tem arranjos muito bonitos e nos remetem ao melhor da MPB, com certa similaridade com o som de Tom Jobim, Vinícius de Morais, de Djavan, Caetano Veloso, de Dorival Caymi e outros grandes nomes. E a voz de José Avelino Atalla é muito bela e marcante, com uma suavidade no cantar. Vale muito a pena ouvir e ouvir de novo, várias vezes.