Cantor e compositor baiano, Ian Lasserre lança “Eu Vim Para Cantar”.

O novo single fará parte do novo álbum do músico, “Meu Único Medo é Primavera”, previsto para 2023. A obra busca uma nova abordagem na música brasileira como um todo, além de evoluir a maneira como o artista trabalhou nas últimas produções.

A produção musical aqui é uma marca forte do que vem à seguir no disco, apesar dessa ser a única canção presente no álbum com o gênero de Samba. O ímpeto pela construção melódica contemporânea é o maior trunfo do músico na composição, já que ele brinda os grandes clássicos brasileiros com o atual. Com isso, ele faz parte dos artistas que buscam trazer uma nova cara para a música brasileira.

Sobre a letra, Ian aponta que a faixa “é um elo de afirmação entre o meu ofício, que é fazer música, e escrever poemas cantáveis”. Ainda segundo ele, “A linguagem do Samba foi, é e continuará sendo um elo ancestral na minha caminhada musical. Meu avô cantava, meu pai cantava e ainda canta. No momento de cantar os parabéns dos aniversários da família Lasserre, meu avô Luizinho cantava a versão de Wilson Batista da canção celebrativa. Eu cresci ouvindo samba, mesmo sem saber que era samba”.

Essa influência familiar é uma constante presença nas obras de Ian Lasserre, que produz suas canções com referências adquiridas principalmente pelo seu avô e também pelo pai, que juntos formaram uma grande base para o músico. “Ambos atravessam a tradição da canção brasileira, meu avô com um repertório pré-bossa e samba canção e meu pai já pós-tropicalista, mais moderno e já abraçando outras linguagens como o pop, rock e reggae”, diz Ian.

Lasserre teve a colaboração de uma série de músicos na produção, como Victor Cabral na bateria e percussão, Rafa Castro performa o piano Rhodes, Conrado Goys encara a guitarra e Igor Pimenta fecha o time com o baixo elétrico, com Ian na voz e violão, instrumento esse que é um excelente meio termo entre os elementos elétricos da composição com os vocais do artista.

Ao observar outras canções importantes do disco, como “Abraxas” e “Corpo a Corpo”, “Eu Vim Para Cantar” encara a essência de uma narrativa contemporânea, trazida por Ian em forma de líricas poéticas e produções musicais além do esperado. A união feita aqui, porém, se destaca por justamente utilizar de um gênero inteiro – o samba -, para criar uma melodia original e que visa marcar o presente com uma mira no futuro.