1989, um ano memorável para Madonna. Foi em 3 de março desse ano, lançado o seu maior single até hoje. “Like A Prayer”.

30 anos depois a música ainda é a mais popular da cantora. Na plataforma digital Spotify, é a canção mais escutada de Madonna com cerca de 85 milhões de streams.

Capa do single criada por Christopher Ciccone, irmão de Madonna

A faixa mistura o Pop com o Rock e a Música Gospel (através de um coral regido por Andraé Crouch). E a artista soube como ninguém fazer uma música de duplo sentido. Em certos momentos fica a dúvida se ela se refere à ajoelhar para rezar ou para um ato sexual.

A bela canção foi escrita por Madonna com o talentoso Patrick Leonarde e foi a primeira música da história usada em um comercial antes de seu lançamento. Um dia antes da estreia, “Like A Prayer” apareceu em um comercial da Pepsi.

Com direção de Mary Lamberto, clipe da faixa, com quase seis minutos de duração, foi extremamente polêmico. Nele vemos uma mulher que presencia um assassinato. Um homem negro foi preso como culpado e ela sabia que isso não procedia. Inclusive o assassino era um homem de pele clara.

Após experiências de fé e um sonho, onde beijava um Cristo negro, a garota faz de tudo para provar a inocência do rapaz. Além de falar sobre religião intolerância racial, o clipe causou polêmica não só pelo Cristo negro mas também por uma cena onde apareciam cruzes queimando. Essas cruzes fazem uma referência a maneira de intimidação à população negra pela Kuklux Klan.

Madonna que teve o objetivo de fazer uma música mais madura, contou que “Like A Prayer” é uma faixa sobre uma jovem garota tão apaixonada por Deus que faz dele, quase só sua única figura masculina na vida.isso justifica os tópicos sexuais disfarçados com tema religiosos.

Para a Revista Rolling Stone, que considerou essa a melhor música de Madonna, a artista contou sobre a inspiração para essa música. “Quando você é católico, você sempre é um Católico, em termos de seu sentimento de culpa ou arrependimento ,ou se pecou ou não. Às vezes, eu tenho um sentimento de culpa que não deveria ter e, para mim, isso é um resultado da minha educação Católica. No Catolicismo, você é um pecador de nascimento e é um pecador por toda a sua vida. Não importa o quão você tenta se afastar disso, o pecado está dentro de você o tempo todo. Foi esse medo que me assombrou; ele me provocou e me machucou a cada momento. Minha música foi provavelmente a única distração que eu tinha”.

A música quando estreou ficou em primeiro lugare em países como Austrália, Dinamarca, Canadá, Reino Unido e Noruega. Além de número um da lista Hot 100 da Billboard Americana. A canção ajudou o álbum de mesmo nome, a vender cerca de 5 milhões de cópias no mundo todo.

Santiago Fouz-Hernández (professor da escola moderna de culturas e línguas modernas pela Durham University) fez uma reflexão sobre o tão amado single e sua importância. “Você pode interpretar a música como uma conversa direta com Deus, sobre espiritualidade de forma mais ampla ou como uma carta apaixonada a um amante. O vídeo mistura essas mensagens de forma inteligente e ainda acrescenta outra controvérsia ao discutir raça. Era uma oportunidade de quebrar vários tabus de uma só vez”.

Não resta dúvida de que esta é uma das canções mais icônicas de Madonna. Fruto de muito talento e por fazer uma crítica social ao que era ruim no mundo no final da década de 80. O coral gospel foi uma ótima sacada que traz mais emoção ainda à faixa.

Uma música que é passada de geração por geração, sendo sempre a favorita de alguém, dentre os grandes sucessos de Madonna. 30 anos se passaram e “Like A Prayer” cabe muito nos dias de hoje.

Viva Madonna! Viva “Like A Prayer!