Texto e entrevista por André Rossanez

Uma das maiores bandas da história do Axé Music, a Banda Eva, está comemorando os 40 anos de sucesso.

Para celebrar a data, eles estão lançando o seu novo DVD “EVA 4.0” pela Universal Music, gravado ao vivo em Belo Horizonte. A primeira parte dos áudios já está nas plataformas digitais e em breve, chega a segunda parte.

O Portal Me Gusta teve o privilégio de conversar, por telefone, com o vocalista Felipe Pezzoni. Conversamos sobre o novo trabalho, sobre carreira e a participação de Ivete Sangalo.

Fique por dentro de tudo que conversamos na íntegra.

Portal Me Gusta: Como apareceu a música em sua vida?

Felipe Pezzoni: Apareceu de uma forma muito natural. Meu pai sempre gostou de música e gostava de percussão, ele tocava por hobby. E desde muito novinho, com dez anos eu já tocava e com treze Já comecei a tocar em festa de amigos e do colégio. Então a música sempre teve presente na minha vida. Com quinze anos, comecei a cantar e não parei mais. Minha vida sempre foi dedicada 100% à música. Sempre sonhei e fui focado em fazer o que faço hoje.

Me Gusta: Como é para você ter entrado em uma banda tão querida pelo público e com tanto tempo de carreira, como a Eva?

Felipe: É mágico. O Eva sempre foi a banda com que mais me identifiquei dentro do Axé. Com treze anos ganhei um CD da Banda Eva e eu nem tinha som ainda, porque CD ainda era uma coisa muito recente, e tive que esperar meu pai comprar o som. Quando chegou o som, eu escutava esse CD, dia e noite. Foi o meu primeiro contato com a música baiana e fez parte da minha formação musical. O Eva sempre teve um significado muito forte na minha vida, me acompanhou em todos os momentos e os vocalistas sempre foram referências para mim. Me sinto honrado e realizado em poder também escrever parte dessa história.

Me Gusta: Como foi a escolha do repertório do novo DVD de 40 anos da Banda Eva?

Felipe: Essa é a parte mais difícil. compilar uma história de 40 anos é muito difícil e sempre vai faltar alguma coisa. O que a gente fez foi selecionar as músicas mais marcantes e que a galera mais pede nos shows. E sempre vai ficar faltando alguma, coisa não tem jeito. A gente fez bastante medley também. Essa foi a parte mais complicada.

Me Gusta: Como é trabalhar em grupo na hora de tomar decisões?

Felipe: A gente tem tem um comitê artístico, que a gente pilota, eu e o Marcelinho, que é o produtor musical. Temos autonomia e liberdade para fazer do nosso jeito e ter a nossa personalidade. A liberdade é bem importante e acho que é o maior segredo da Banda Eva. Cada artista que passou, deixou sua marca ali, seu jeito e sua personalidade no seu momento, e isso é o que a gente tá fazendo também. Para decidir músicas que vamos gravar e cantar no show, temos reuniões e decidimos tudo em conjunto, com votações.

Me Gusta: Na canção “Bem Vindo, Amor”, tem a participação e Ivete Sangalo. Como foi gravar com ela e como escolheram a música?

Felipe: A gente convidou a Ivete para participar do DVD, mas ela tinha um show no dia e se prontificou em gravar alguma coisa, para participar de alguma forma. E coincidiu, de a gente ter recebido uma semana antes essa música, e quando recebemos , achamos que era a cara da Ivete e que ficaria incrível com aquele vozeirão dela. Já tava escrito, era pra ser com ela mesmo. A música ficou linda, o pessoal tá gostando pra caramba. Eu sempre tive vontade de gravar com a Ivete e esse sonho se tornou realidade.

Me Gusta: Como foi feita a escolha das participações de Ivete, Wesley Safadão, Léo Santana, Mumuzinho, Durval Lelys e Tomate no DVD?

Felipe: A gente quis trazer um novo olhar. Muita gente perguntou porque não trazemos os ex-cantores do Eva. Isso já tinha acontecido nos 25 anos da banda e a gente queria trazer algo diferente, com um novo olhar e criar novas conexões e trazer outros segmentos pra se conectar com a gente. Cada convidado cantou um clássico e uma inédita. A gente quis dar um novo olhar nesse clássico, e poder misturar com outros segmentos e trazer novas perspectivas para as músicas.

Me Gusta: Como você vê o Axé Music atualmente?

Felipe: O Axé tá bem. Vai bem, obrigado. A gente vê que o pessoal tá rodando para caramba. A agenda do Eva tem de 130 a 140 shows por ano. É muito show. É um segmento que tá solidificado, é uma realidade. Claro que o mercado mudou. Ele é cíclico. Vem e etoura o Axé, o Funk, o Sertanejo, o Forró e aí vem o Axé de volta. Mas vejo com um olhar muito otimista. Desde que assumi o Eva, veja o quanto a gente evoluiu, o Axé evoluiu. Peguei um dos piores momentos na verdade. O Axé tinha meio que caído, o mercado mudou, e as pessoas voltaram a ouvir bastante a música baiana. Sempre vai ter demandam Por quem quer proporcionar experiência de felicidade, de coisa boa e de vibração, a Bahia sempre será lembrada.

Me Gusta: No show você canta e dança bastante. Como é a sua preparação, principalmente para o Carnaval?

Felipe: Já começo minha preparação do Carnaval, a partir de agora. Já intensifico os treinos, os aeróbios, o acompanhamento de fono e do otorrino. Começa agora, porque não é só o Carnaval, é também todo verão e é tudo muito pesado. A preparação começa em Novembro, pois dobra quantidade de shows e a gente precisa aguentar essa maratona.

Me Gusta: Como é a relação com os fãs?

Felipe: É maravilhosa. A gente herda um monte de admiradores e de histórias. A gente se depara com muita história boa. Tem gente que se conheceu pelo Eva e se casou, gente que teve filha com nome de Eva, tem gente que se curou do câncer e que durante o tratamento ouvia a Banda Eva todo dia. Isso é muito gratificante. A gente herda o público, herda fãs e ganhamos fãs. Nosso público tem se renovado e isso é muito bacana também.

Me Gusta: O que você pode adiantar dos próximos passos?

Felipe: já colocamos a primeira parte da comemoração dos 40 anos, nas plataformas digitais e já soltamos três clipes e semanalmente vamos soltando os outros dessa primeira parte. Em Dezembro, a gente pretende soltar a segunda parte desse material.

Me Gusta: O que você diria para os novos cantores que estão começando a carreira?

Felipe: Não é fácil. O mercado da música é muito difícil, muito competitivo. E se tenho um conselho para dar é, Acreditar. Acreditar em si, não depositar seu sonho nos outros e sim em você. Estude, se dedique. Tenha muita perseverança, Por que é muito preciso dela pra viver de música. E trabalhe com a sua verdade. Não faça nada que não te emocione. Se não arrepiar e se não tá emocionando, não faça. Não faça nada só porque tá na moda. Faça só o que tá te emocionando, que você já tá bem à frente e próximo de poder conquistar tudo.