Com letra escrita há uns três anos, “Cobra Venenosa” é o lançamento de Ludmilla com o DJ Will 22, como resposta à polêmica entre ela e Anitta.

A canção que resgata o Funk raiz, principalmente durante o refrão, ganhou um clipe dirigido por João Monteiro e roteiro da Lud, com cenário apocalíptico, onde ela se junta a um grupo de mulheres que tenta restabelecer a civilização e elas dançam e passam uma mensagem do tipo ‘não adianta ter recalque e falar mal de mim, não vai me derrubar’ e lembram que o mundo dá voltas, após encontrar um grupo que não foi muito amigável à elas.

No início do vídeo, Ludmilla está sentada com uma cobra em seu colo. Mesmo sem ter essa intenção no clipe, alguns podem inclusive, fazer conexão com o clipe de “Veneno” da Anitta, em que ela contracena com cobras e de repente podem achar que a cobra na produção seja algo como “ela é a cobra e tô amansando’. E no fim, vemos uma mulher bem parecida com Anitta, a qual Ludmilla vê e dá as mão, fazendo assim uma trégua e um recado de ‘não vamos fazer rivalidade feminina, nos unamos ou apenas nos respeitemos separadas’. A ‘sósia’ de Anitta se chama Luiza Martini e ficou conhecida nas redes sociais ela semelhança com a cantora.

screenshot_20200703-142753~28689509057188745956..png

Sobre a música, Ludmilla revela, “Há homofobia, machismo e racismo. Então, ensinamos que todas juntas somos melhores, que esse veneno não leva a lugar nenhum. A gente acaba conseguindo trazê-las para reconstruir o nosso mundo, poderoso, com as mulheres no comando”. E ela completa, “Não adianta falar ‘eu amo todas as mulheres’ só da boca para fora. Não adianta ser feminista, empoderada e depois puxar tapete, dar uma banda. Tem que ser de verdade e, quando é, funciona. Essa é a mensagem do clipe”.

Apesar de ser usada para falar da polêmica com Anitta, a faixa que até foi mostrada um trecho por Lud, pouco depois da polêmica entre as cantoras e da vídeo dela falando de tudo isso, a sua composição não tem nada a ver com isto, foi composta antes. “A inspiração veio do dia a dia, de tudo que vivo, que vejo e ouço as pessoas reclamarem”, conta a funkeira.

Uma curiosidade das gravações do videoclipe. Ele foi gravado durante a quarentena e todas as pessoas envolvidas foram submetidas a testes do Covid-19. Assim, Ludmilla e a esposa Bruna Gonçalves, descobriram que o teste  para anticorpos da doença foi positivo.