A cantora Sandy (a favorita de que vos escreve) lança seu novo Ep “10:39” (nome vindo da duração do projeto) totalmente produzido em plena quarentena em casa, com a família e poucos músicos que gravaram à distância. Um lançamento Universal Music com 3 faixas.

“Pra mim, como artista, seria impossível passar por esse período sem ser afetada de alguma maneira. A nossa profissão é toda baseada na nossa capacidade (ou necessidade) de expressar o que a gente sente em forma de arte. Mas, por algum motivo, quando eu pensava em compor, parecia que eu não conseguia ser completamente sincera ou suficiente. Quando a gente escreve com um assunto em mente, a gente se limita um pouco, e eu não queria, de maneira alguma, me apoiar em clichês ou correr o risco de soar minimamente oportunista”, reflete a cantora.

E ela completa, “Por outro lado, acho que a arte, em suas diversas formas, ajudou a preservar um pouco a sanidade de muita gente durante esse ano, e comigo não foi diferente. Filmes, séries, músicas, livros, artes plásticas… me tocaram de um jeito indescritível e que ajudou a acalmar o coração em diversos momentos. E algumas canções específicas que eu já amava há muito tempo, de repente, se mostraram pra mim com um sentido completamente novo e inesperado. Assim nasceu a necessidade de fazer esse EP”.

Capa do EP – Ilustração de Thainan Castro

A primeira faixa “Piloto Automático” foi originalmente gravada pela banda Supercombo, que a cantora conheceu quando foi jurada do Programa “Superstar” e ganhou uma versão sensível com um arranjo com piano em sua base e que vai crescendo durante a canção, junto com a voz da cantora que vai crescendo junto e sem perder a doçura. Um convite a darmos mais valor as coisas pequenas da vida e às pessoas que amamos, amigos, nossos pais, família e a pessoa amada.

Continuando as mensagens positivas, Sandy escolheu um clássico da banda 5 à Seco, “Lua Cheia” que fala sobre fé na vida e superarmos os medos, além de termos positividade pra fazer do mundo que vivemos, um lugar melhor, com mais amor e empatia por todos. Destaque pro arranjo envolvente construído com a bateria bem marcada e dando o tom de cada trecho da canção

Pra fechar este lindo projeto, a canção “Tempo” que é uma das queridinhas do público da cantora. Sobre este tema, Sandy conta “Gravei no meu álbum de estreia da carreira solo, redescobri e que, nesse momento, tomou um tamanho muito maior do que tinha quando a compus, 11 anos atrás”. A letra desta faixa é de total esperança de que tudo vai passar, algo muito importante de termos em nossas mentes neste momento de pandemia e isolamento social. Impossível escutar essa obra prima sem se emocionar e ficar tocado (inclusive isto acontece muito comigo, todas as vezes que a escuto. É algo que nenhuma outra música no mundo me faz). A nova versão da canção ganhou um arranjo mais metalizado, que destacou muito bem a voz da cantora. Muito bem pensado e algo que deu um charme à faixa.

Sandy e sua equipe, também fizeram do EP um álbum visual, através de um clipe de mais de 10 minutos com as três canções com direção de Douglas Aguillar. A produção tem 3 partes que se ligam, cada uma representada por uma canção. Na primeira vemos Sandy em uma floresta perdida em seus pensamentos e buscando um rumo, uma solução. Na segunda, após andar muito ela para e reflete, se emociona e então segue em frente. Na última parte, ela se liberta e grita pra tirar tudo que está entalado em seu peito e então com a certeza de que tudo vai passar segue em diante sem medo.

Segundo Sandy, “Quando liguei pra meu amigo Douglas Aguillar pedindo pra ele me ajudar a traduzir essas músicas em imagens, fomos à fazenda onde trabalha um amigo de infância e filmamos não um clipe, mas um sentimento, uma alegoria de todos os estágios de tormenta e calmaria – e tudo entre esses dois extremos – dos últimos meses, comprimidos em dez minutos e trinta e nove segundos”.

Como Sandy diz, este novo trabalho (Ep e videoclipe) traz “três músicas que viraram uma só, que se confundem uma com a outra, assim como as horas, os dias e os meses desse ano maluco”.

Este projeto de Sandy é simplesmente lindo e sensível e nos faz sentirmos mais leves e com mais gana de enfrentar este momento tão difícil pro mundo inteiro. É um respiro em meio a tanta insegurança e incertezas que temos enfrentado.

Sandy resume muito bem o que este novo trabalho significa e como ele mexe com nossos sentimentos. Segundo ela, “Chamar de EP até soa estranho; está mais pra um convite pra que as pessoas dividam esses 10:39 comigo, pra gente respirar, pensar, refletir, se permitir sentir e tentar encontrar algum aconchego um no outro. Ainda que – por mais algum tempo – à distância”.