A talentosa Carol Biazin lança na Sexta (13), o single “Beijo de Judas” com direito a clipe e tudo.

A cantora aproveitou a estreia da música, para revelar que em seu primeiro álbum, haverá participações especiais de Luísa Sonza e Glória Groove.

O mais bacana é que o novo trabalho da ruiva será lançado em um formato inédito em nosso país. Carol será a primeira artista brasileira a lançar um álbum com faixas escondidas na tracklist dos apps de música, ou seja, será possível ver o nome de todas as músicas do novo trabalho, mas nem todas ainda estarão disponíveis para serem ouvidas, sendo elas lançadas oficialmente posteriormente.

Foto: Lana Pinho

O Portal Me Gusta teve o privilégio e a felicidade de entrevistar Carol Biazin, que contou um pouco mais sobre o novo single, sua banda formada só por mulheres, representatividade e produção do álbum de estreia.

A seguir saiba tudo que Carol revelou na íntegra:

Portal Me Gusta: Em breve chega o seu álbum. Como foi escolher o repertório e produzir o disco em quarentena?

Carol Biazin: Acho que foi um grande desafio produzir um álbum durante a quarentena. É uma coisa que a gente nunca tinha feito, de tentar fazer tudo à distância e gravar as vozes aqui. Tanto que “Beijo de Judas”, é uma música que eu tive que regravar, porque teve um problema. Então, deu tipo um trabalho dobrado em alguns sentidos, mas o resultado final ficou incrível do mesmo jeito. A gente conseguiu entregar e acredito que as inspirações, acabou que saiu bastante coisa durante essa quarentena, durante esse isolamento social. Achei que ia ser muito mais difícil em relação a criatividade. Mas acabou que fluiu tão bem quanto e conseguimos colocar vida no álbum, dentro de um momento tão tenso que a gente tava vivendo.

Me Gusta: Como surgiu o novo single “Beijo de Judas” e as inspirações de sua composição?

Carol: Antes mesmo de escrever “Beijo de Judas”, eu já tinha pensado no nome pro single. Eu não sabia que ia ser um single até ficar pronto, mas eu já tinha pensado nesse nome, porque era uma coisa que acho que descrevia muito a forma que eu tava me sentindo. Sabe aquela coisa de palminhas nas costas e elogios, mas no fundo, no fundo a gente não sabe o que é de verdade o que é de mentira? Acho que foi um momento muito propício para colocar pra fora. e acabou que ela se tornou muito mais que só uma indireta ou alguma coisa do tipo. Acho que é tipo uma conscientização mesmo para galera que consome música e até pra mim mesma. Pra eu reavaliar a forma com a qual consumo música, e se não tô ouvindo sempre os mesmos artistas e fazendo mais uma vez aquele círculo vicioso de sempre e não dando espaço pra outras pessoas entrarem no mercado.

Foto: Lara Pinho

Me Gusta: Como surgiu a parceria com Luísa Sonza e Glória Groove e como foi gravar com elas?

Carol: Gravar com a Glória e a Luísa foi a realização de um sonho, porque eu sou muito fã das duas. A Glória foi muito doido, porque o primeiro contato que eu tive com ela, foi mesmo dentro do estúdio, fazendo rolê. Então só de imaginar que ela já tinha escutado o beat e que tinham falado de mim pra ela, eu já tava meio num surto. E aí quando eu a conheci pessoalmente, vi que realmente tudo que eu via e admirava nela, só foi comprovado. Então foi muito gostoso gravar o rolê com ela . E a Luísa, a gente ficou muito amiga E então depois foi um processo muito natural. Eu amei a forma como a Luíza é uma pessoa muito solicita. Ela compra suas ideias e apoia mesmo e artisticamente é muito gigantesco pra mim ter uma pessoa como ela. É tipo um certo selo de aprovação, sabe? Então é muito ‘da hora’ saber que ela curtiu e topou fazer e que foi da forma mais natural possível, que é como gosto de fazer as paradas.

Me Gusta: Como foi surgiu a ideia de lançar o álbum com faixas escondidas na tracklist? Como é pra você ser a primeira artista a fazer isso?

Carol: A ideia de fazer um álbum com faixas escondidas foi de reuniões e reuniões que a gente teve. A gente não queria desperdiçar nenhuma música do álbum e quando a gente viu ele pronto, falou: nossa a gente tá ferrado, como a gente vai escolher os próximos singles e deixaram uma de lado? E a gente não queria fazer isso. Então pra aproveitar realmente todo trabalho que a gente teve durante a quarentena, e o cuidado e carinho com esse álbum, a melhor maneira possível foi escondendo essas faixas e conseguir trabalhar com elas depois. E também pra ter mais assunto para falar desse álbum. Esse álbum, acho que tem tanta coisa para ser falada, que não dá para cuspir de uma vez só também. Então, foi mais ou menos isso.

Foto: Milena Rosado

Me Gusta: Como foi montar uma banda sensacional só de mulheres?

Carol: Pra mim, uma banda só de mulheres sempre foi um sonho. Eu sempre falei isso, porque desde que eu vi o clipe da Beyoncé de “Irreplaceable”, que ela aparece com todas as mulheres tocando no final, sempre quis ter uma banda só de mulheres. Sempre achei aquilo muito potente e com muita força. Eu ficava chocada e queria muito tá ali naquela banda. E quando conheci a Rayane, no início do ano antes de tudo acontecer e da quarentena, ela já falou que tinha outras gurias que tocavam muito e eu comecei a ser apresentada para elas, pra essas mulheres e eu fiquei de cara. Deu muita liga. A primeira vez que a gente tocou junto foi numa Live e deu muito, muito certo e a galera pirou. A a gente já tá pronta para próxima e acho que tem tudo para que essa banda cresça e que venham mais mulheres para essa banda ainda.

Me Gusta: Como você sente a questão dos direitos LGBTQI+ e luta contra homofobia? Como se sente podendo ser a voz de tanta gente e como a arte contribui pra esta causa e a comunidade?

Carol: Pra mim é muito, muito importante estar dentro de uma comunidade tão gigante e ser abraçada por ela. As pessoas se identificam com isso e estão se sentindo representadas e eu queria ter muito uma pessoa assim, quando eu tava em dúvida, quando eu não sabia muito bem o que eu era ou eu tinha medo de dizer quem eu era. É muito ‘da hora’ saber que essas meninas me seguem, e meninos também e que essas pessoas da comunidade se sentem amparadas, através da música e ainda da forma mais natural possível. Elas se sentirem abraçadas e não se sentirem sozinhas, acho isdo demais.

Me Gusta: Dentro do possível, o que pode contar dos próximos passos da carreira?

Carol: Os próximos passos da carreira é aproveitar esse álbum ao máximo. E a gente já tá num bom caminho, numa boa estratégia. E, depois do álbum, com certeza, também tenho outras parcerias que quero tirar do papel e por em prática logo, mas nada muito concreto e que eu possa falar ainda. Mas é por aí. A gente quer fazer mais músicas e trabalhar um pouco mais desse álbum 2021, e quem sabe lá pra metade começar uma nova era.