Empoderada e poderosa Mahmundi lança no Dia e no Mês da Consciência Negra o seu mais novo projeto “Sorriso Rei” que exalta grandes artistas negros. Uma parceria com a Universal Music.

A cantora foi a responsável pela produção das canções desse projeto e agora estreia sua faceta como diretora criativa.

O novo trabalho foi feito em sua maioria por pessoas pretas e pretende celebrar e homenagear grandes artistas pretos da música.

Os primeiros homenageados serão Gilberto Gil através de seu clássico “Tempo Rei”, revisitado por Xande de Pilares, Léo Santana e Priscila Tossan e a diva Jovelina Pérola Negra, que será homenageada por Mumuzinho, Mc Zaac, Malía e Ruby regravaram “Sorriso Aberto”.

Foto: Lucas Nogueira

Mahmundi, conta um pouco sobre a escolha dessas canções. “São duas músicas clássicas, de pessoas pretas e de vertentes muito diferentes. Gilberto Gil, que tem uma profundidade, uma intelectualidade e uma sensibilidade com o mundo, faz com que as canções dele tenham esse apreço popular, apesar de estar ali, nessa crista da MPB. Escolhi também canção ‘Sorriso Aberto’, que é uma música interpretada pela Jovelina Pérola Negra e composta pelo Guará Sant’anna. Eu quis trazer dois universos completamente diferentes, do samba, da música do Gil, que é uma música que a gente quase não entende qual é o estilo dela, é a música do Gilberto Gil, então, essas duas pessoas que marcaram essa época, que trouxeram essas novidades para a comunidade dos artistas populares pretos, de histórias completamente diferentes”.

E não para por aí. Além de clipes para as faixas, seremos presenteados com um documentário. Tudo isso dirigido por Yasmin Thayná. Nos próximos meses, Mahmundi pretende produzir e lançar outros temas homenageando outros grandes artistas pretos.

Foto: Lucas Nogueira

A artista ainda conta, “O plano é que ‘Sorriso Rei’ seja o pontapé inicial para vários projetos que a gente pretende fazer junto da Universal Music, porque eu amo fazer isso, eu amo música. E é maravilhoso estar perto de uma nascente de música. Eu quero muito explorar isso, ter mais artistas, aprender nesses processos e produzir as minhas músicas. Eu acho que ‘Sorriso Rei’ tem muita coisa ainda para ser explorada e dita, para além do dia 20 de novembro, que eu até já esqueci completamente, porque a minha vida já é todo dia uma vida de consciência negra”.

Ela ainda revela, “Amanheci esses dias com a notícia de que Cadu Barcellos, um jovem de 34 anos, foi esfaqueado voltando de um evento na Lapa. Isso deixa a gente muito triste, porque Cadu era um cineasta, era um parceiro, pra mim, essa coisa da consciência negra é todos os dias, quando a gente perde um dos nossos amigos, quando a gente perde mais uma pessoa vítima de suicídio, vítima de problemas, desemprego, problemas de saúde mental, o próprio racismo. Então, para mim, o plano com ‘Sorriso Rei’ é mostrar para a molecada que tem muita coisa acontecendo, muita coisa para se orgulhar e para celebrar. Nem vou ficar me apegando ao 20 de novembro, que acho que é uma data importante, em que a gente afirma isso para o Brasil, para o mundo, mas todo dia para mim é dia 20 de novembro. Então, eu quero que ‘Sorriso Rei’ tenha uma vida longuíssima. E tenho certeza de que vai dar certo”.

Foto: Lucas Nogueira

A nova versão de “Tempo Rei” ganhou um arranjo com base bem parecida da original, gravada por Gil, porém com adição de uma gostosa percussão que dá um ar mais moderno pra faixa. Uma grata surpresa é ver Léo Santana e Xande de Pilares cantando algo mais MPB e mandando muito bem. Priscila Tossan acostumada com o estilo trás muita doçura e delicadeza a canção, a deixando ainda mais bela.

E a releitura de “Sorriso Aberto” trouxe um samba bem suingado e gostoso de ouvir, com direito a cuíca e tudo. Ruby, Mc Zaac também foram muito bem ao cantar em um estilo diferente do que estão acostumados. Um belo complemento a Mália e Mumuzinho que estão acostumados com o Samba e que também tem vozes tão gostosas de ouvir.

Foto: Lucas Nogueira

“Sorriso Rei” é um lindo projeto que valoriza a cultura de nosso país e de artistas pretos tão maravilhosos. E é muito gostoso ver artistas cantando estilos musicais diferentes daqueles de costume, assim saindo da zona de conforto e mostrando ainda mais suas versatilidades.

Mahmundi fez uma produção impecável.