Gustavo Mioto está prestes a lançar o primeiro volume de “Mistura”, seu primeiro projeto pela Universal Music.

Gustavo, sua equipe e a gravadora uniram a imprensa através de uma coletiva online pelo aplicativo Zoom, para contar detalhes deste novo trabalho, que homenageia a cultura nordestina com muito Forró e a participações especiais de Dorgival Dantas, Raí Saia Rodada e Calcinha Preta.

Gustavo Mioto durante a Coletiva

O Portal Me Gusta teve o privilégio de participar e vai te contar o que o cantor revelou.

Projeto “Mistura”

O novo projeto de Gustavo Mioto, “Mistura” é uma homenagem ao Nordeste e também veio pra mostrar que assim como a galera do Sertanejo, o artista “não tem o lance da vaidade de não querer gravar outros gêneros”. A ideia é fazer outros volumes explorando outros gêneros musicais.

Segundo o cantor, “O ‘Mistura’ vem para mostrar que a música não é restritiva, que a gente pode abranger outras áreas também e que a gente pode ser feliz fazendo, porque eu me diverti pra porra fazendo esse projeto. Acho muito massa você poder sair da sua zona de conforto e fazer algo que não é o que a galera espera talvez de ti”.

Capa de “Mistura” Volume 1

Participações e Repertório

Mioto contou um pouco sobre a escolha de repertório do novo projeto e as participações especiais, inclusive ressaltando que outros artistas que ele gostaria de ter no álbum ficaram de fora.

“A cultura musical nordestina é muito grande, então tem muitos artistas que não entraram, até porque se a gente fosse fazer com todos que eu gostaria, o DVD ia ser tipo ‘Senhor dos Anéis’ e durar 3 horas e 40. A gente teve que fazer uma primeira leva de artistas e como é volume 1 a gente tem outras misturas para fazer, quem sabe a gente faça com outros”, conta.

Ele contou também como foi gravar o novo trabalho em plena quarentena e sem público presente. Segundo Gustavo, “Gravar sem o público foi bastante esquisito, eu tenho muita essa necessidade do pessoal lá em frente do palco vibrando comigo, me mostrando qual música esquentou mais, qual música o pessoal aprendeu a cantar mais facilmente e a que emocionou mais. Eu sempre tive muito isso do feeling da galera, então foi bem estranho”.

Outra dificuldade que ele revelou foi a maior demora para montar cenário, produzir o show e gravar devido a equipe ter que ser bem reduzida. Foi difícil também não poder ensaiar antes do show.

Sobre as participações especiais de Raí Saia Rodada, Calcinha Preta e Dorgival Dantas, Mioto contou que cada um dos artistas já estava em sua cabeça e que quando ele parou para ver os nomes de cada um percebeu que eram as escolhas perfeitas.

Sobre que música cantaria com cada um dos artistas, o sertanejo revelou “Peguei as três músicas que eu mais gostava de cada um e das três músicas eu elegi uma. No caso do Calcinha ficou ‘Hoje a Noite’,  do Dorgival ficou ‘Tarde Demais’ e no caso do Raí ‘Bebe e Vem Me Procurar’. São as minhas três preferidas dos três”.

Relação Com Forró e o Nordeste

Gustavo Mioto contou também um pouco de sua relação com o Forró e com o Nordeste. Segundo ele, “Talvez meu primeiro contato com o Forró, tenha sido ainda quando um embrião, um espermatozoide ainda, porque o Brasil todo consome o forró desde muito cedo”.

Mioto ainda contou “Comecei a tocar no Nordeste tem uns 3 anos, desde que gravei o DVD do ‘Anti-amor’. As coisas foram acontecendo e fizemos o primeiro show no Nordeste em Fortaleza. Acho que a conexão com Forró, o Brasil todo tem. O próprio Sertanejo por várias e várias vezes gravou uma música que tava acontecendo no Nordeste e o Nordeste uma que tava acontecendo no Sertanejo e assim ia variando. Acho que a ligação da Música Sertaneja com Forró, é desde sempre. São primos”.

O cantor lembrou também que o seu último DVD foi gravado no Nordeste e que aquele trabalho, assim como o mistura “Mistura” é uma homenagem àquela região, onde ele foi sempre abraçado em sua carreira desde o começo.

Quarentena

Gustavo Mioto contou também como está sendo passar por este período de isolamento social devido à pandemia.

“Eu passei muito tempo da pandemia sem tesão de fazer nada assim de música, e passei muito tempo sem conseguir escrever nada e sem querer produzir nada”, conta ele. Inclusive o artista comentou que nas lives que fez, ele não estava completo em cena.

“Demorou muito tempo para eu ter algo que acendesse a chama de novo”, concluiu. O novo projeto “Mistura” deu um bom gás a ele, através da experiência de novamente ter contato com outros artistas e poder gravar algo que o divertisse e aliviasse tudo aquilo.

Para se distrair e relaxar o cantor voltou a estudar guitarra e começou a estudar novos instrumentos. Ele que sempre gostou de games e tecnologia, está também jogando bastante e estudando sobre as diversas tecnologias.

Ele deixou bem claro também que esse é um projeto paralelo e que ele não pretende abandonar o sertanejo. Segundo ele, “Eu sou um cantor sertanejo. Nasci, cresci e vou morrer sendo um cantor sertanejo”.

Outros Estilos Musicais

Gustavo é um artista que não tem medo de se jogar na música e nem de se arriscar em outros estilos.

Sobre isso ele conta “Isso é importantíssimo. Acho que uma boa galera do Sertanejo poderia estar num andar mais alto, mas por medo talvez do que a galera falaria ou por medo de alguém comentar ‘mas isso não é sertanejo’ e tudo mais, a galera fique meio presa. Eu nunca tive isso. Sempre gostei de música”.

Se jogar e gravar outros estilos e os misturar com Sertanejo vem também do fato de ele ser um artista inquieto. “Acho que o artista que não é inquieto, estagna. É essencial que você seja inquieto com seu trabalho, sempre tentando criar alguma coisa nova. É você pegar por exemplo, a “Com Ou Sem Mim”, que é a música mais tocada do ano nas rádios, e colocar ela em Forró, fazer uma versão total diferente do que uma balada que era bem pop”.

Para ele fazer este projeto cantando Forró trouxe muito aprendizado. Ele contou, “A gente acha que os dois estilos são primos e são, porém eu aprendi muito. A gente no estúdio levou a banda e produziu esse disco em 3 dias. A gente precisou estudar como se toca, como a galera faz no Forró, porque é diferente. Você tem uma tocada diferente, uma mão diferente e então isso leva tempo para aprender e só tive três dias. A gente aprendeu muito com isso, aprendeu muito escutando essa galera. A gente debulhou os CDs dos três (Raí, Calcinha Preta e Dorgival)”

Também ressaltou que a humildade de Dorgival Dantas, ensinou a importância de sempre lembrar de estarmos com pé no chão e que todos estão no mesmo barco.

Um outro ritmo que o cantor adora e pensa em fazer num próximo volume de “Mistura” é o Pagode. Inclusive ele contou que é muito fã de Sorriso Maroto e que já falou sobre isso com o vocalista Bruno e que gostaria de gravar com eles. Também curte bastante pop rock como por exemplo Abba, Capital Inicial, Jota Quest e Skank.

Evolução Vocal

O cantor revelou de cobra bastante dele mesmo em termos de qualidade musical e vocal. “Eu ouço pouco Gustavo Mioto, porque sinto que toda vez que eu escutar vou pensar ‘eu poderia ter feito melhor aqui nessa frase’. Toda vez que eu escuto eu vejo um defeito novo que eu poderia ter feito melhor”, conta.

Mioto ainda contou uma curiosidade, a de que no começo cantava mal. Segundo ele, “Eu lembra que eu era muito ruim, muito. Esses dias, eu tenho uma amiga no interior, que me mandou uns áudios das primeiras músicas que eu fiz. Eu tocava e gravava tudo no computador, eu tinha uns 12 anos. Meu pai do céu, eu não consegui ouvir inteiro. Muita coisa não consegui ouvir inteira”.

Gustavo Mioto durante a Coletiva

Destruindo Barreiras Culturais

O artista sente que a música vem destruindo barreiras culturais no Brasil. Para ele, “Torci muito para esse tempo chegar. Acho que muitos gêneros no Brasil acabaram caindo, em resultado dessas brigas desnecessárias entre gêneros. A gente tem gêneros que não se ouve muito falar, exatamente por essa falta de união. É por isso que o sertanejo hoje é o gênero número um do Brasil. Se você olhar, vai ver que no Sertanejo tá todo mundo gravando junto”.

2021

Gustavo Mioto contou como será o seu fim de ano e projetos para o ano que vem.

Ele vai passar o Natal e o Réveillon com a família, o que segundo ele vai ser muito gostoso. Apareceu propostas de show porém ele colocou tudo numa balança e preferiu não fazer.

Segundo ele, “Ano que vem a gente tem muitos projetos”. e outro contou que terá algumas coisas internacionais em 2021, além de músicas novas, uma festa chamada “Pé Na Areia” e a realização de um projeto especial para casais que ele sempre teve vontade de fazer.