No Sábado de Carnaval, dia 13, aconteceu a tão esperada Live de Ivete Sangalo e Cláudia Leitte. Um show lindo e emocionante de um pouco mais de quatro horas.

Uma superprodução com um cenário enorme com um super telão ao fundo e lateralmente duas estruturas, uma de cada lado, como se fossem trios (um de cada uma delas) que ficavam ao lado das bandas. Na frente um mega espaço de palco.

Um ponto muito forte foi a união da banda de Veveta com a banda de Claudinha que juntas construíram uma sonoridade robusta e poderosa, tocando juntos das duas artisas.

No repertório diversas músicas que são ícones do Carnaval e do Axé, além de grandes hits de Ivete e grandes hits de Cláudia. Algumas músicas de cada uma, foram cantadas pelas duas juntas, mas a maioria foram em separado, porém com uma sempre interagindo com a outra, seja dançando ou cantando trechos. Lindo demais. Uma mega festa, com direito até a Ivete tocando bateria e Cláudia tocando guitarra.

Alguns momentos foram muito marcantes nesta noite de alegria e festa. Em diversos momentos, as duas estavam extremamente emocionada compartilhar é aquele momento juntas e por de alguma forma fazer Carnaval, levando alegria para o povo, dessa vez em suas casas com a empolgação que teriam nas ruas de Salvador e festejos pelo país.

Como foi gostoso ver Ivete cantando a faixa “Claudinha Bagunceira” ao lado da loira e Claudinha cantando (e levantando poeira) com Veveta o grande hit “Sorte Grande” que seu final ganhou um toque especial de Funk.

Um momento muito emocionante e alegre foi quando elas cantaram um dos hinos da Bahia “Bota Pra Ferver” e em seguida o clássico de Moraes Moreira “Frevo Mulher”. Com certeza a nostalgia bateu com muito carinho todos nós. Nos sentimos abraçados pelas cantoras.

Foram tantos e tantos sucessos nessas horas todas de transmissão, que fica impossível aqui mencionar todas as canções. Ressalto que os maiores sucessos tanto de Cláudia como de Ivete foram cantados e as duas souberam escolher canções fora dos repertórios, que são realmente inesquecíveis e apaixonantes.

Teve até um trecho da próxima música de Claudia Leitte que será lançada e se chama “Agradece”. Uma música super positiva e bela que Ivete já aprendeu e até cantou um trecho. a versão original será lançada com a participação do vocalista do Natiruts.

Um dos momentos que mais nos sentimos no Carnaval fora de casa, mesmo entrando nos nossos lares, foi um mix de sucessos que há anos vem conquistando o coração de tantas pessoas, em diversos carnavais. Foi impossível não cantar com elas os hits “Me Abraça”, “Beleza Rara”, “Doce Paixão”, “Doce Obsessão”, “Prefixo de Verão” e “Baianidade Nagô”.

O momento que também tocou os nossos corações foi a música “Não Precisa Mudar”. A emoção tomou conta e foi lindo ver como tanto Ivete que a gravou, como Cláudia se identificam e adoram esta canção.

Para fechar a noite com chave de ouro, Claudinha e Ivete cantaram o mega hit “Eva”, que se bobear é o maior hino de Carnaval de todos os tempos. As duas ficaram extremamente emocionadas neste momento. No fim Cláudia ficou tão emocionada que quase não conseguiu terminar a música. Nesse momento foi lindo e emocionante ver Veveta ajudolabdo ela com seu amor e apoio. Assim, emocionadas, as duas finalizaram a canção e a Live.

Esse foi um dos momentos mais esperados por todos os fãs das duas artistas, que já enfrentaram diversas fofocas maldosas de que não se davam bem. Mostraram de uma vez por todas que não existe rivalidade alguma e percebemos mesmo que pelo vídeo, o quanto elas se adoram e o quanto de carinho tem entre elas.

Não posso deixar de destacar o talento de Marcelo, filho de Ivete Sangalo, que tocou percussão e bateria durante a apresentação inteira. Já tão logo ele se mostrou um grande músico, que além de talentoso, tem muito carisma e muito amor pela arte. Um grande percussionista.

Sem dúvida foi uma noite cheia de alegria celebração e muita emoção. Foi um verdadeiro presente ver Claudinha e Veveta juntas e quanta química e cumplicidade entre elas existe. Foi um momento que nos ajudou a não ficarmos tão tristes de não poder cair na folia e de nos permitir de alguma forma fazer um Carnaval, mesmo que de uma forma, digamos, alternativa.