Apostando alto no Funk, a Warner Music contrata os MCs Hariel e Don Juan, dois dos maiores nomes do gênero.

Os dois, apesar da pouca idade, são destaques no cenário do Funk de São Paulo com vídeos e singles com alta popularidade no You Tube e nas plataformas digitais. A gravadora, que tem Ludmilla e Anitta em seu casting, há um tempo vem dando destaque ao batidão, atual novo Pop e agora conta também eles.

Vale lembraram que os artistas começaram as carreiras de sucesso em parceria com a GR6 (uma das maiores produtoras de Funk do país). O escritório é responsável até hoje pelo agenciamento de Don Juan e Hariel.

Mc Hariel

A diversidade musical há tempos faz parte do cotidiano de Hariel Denaro, um jovem de 23 anos nascido na Vila Aurora, zona norte de São Paulo. A começar pelas raízes sonoras: seu pai foi integrante do Raíces de América, um grupo especializado na pesquisa de clássicos da canção sulamericana – em especial as de resistência contra a ditadura. E se um dia Mick Jagger cantou “o que mais pode um rapaz pobre fazer/Senão cantar numa banda de rock’n’roll?”, qual o destino de um menino da periferia de São Paulo a não ser arriscar uma carreira como funkeiro?

Hariel passou primeiro pela escola do funk mais ousado, depois para a ostentação e hoje caminha para um estilo consciente, que muitas vezes aborda problemas sociais. É o caso de Ilusão, parceria com DJ Alok e os MC’s Salvador da Rima, Davi e Ryan SP. Ela tem como tema a dependência química (mal que matou o pai do MC) e por três dias foi a mais executada na plataforma de streaming Spotify. Atualmente, conta como 67 milhões e 500 mil execuções no Spotify e 187 milhões de exibições no YouTube.

Mc Don Juan

Mc Don Juan, nascido Matheus Wallace Mendonça da Cruz, é o nobre representante do pancadão made in São Paulo. O versejador de 20 anos tem sete de carreira e há cinco estourou seu primeiro sucesso, Oh Novinha, que chegou à trilha da novela A Força do Querer, da Rede Globo. Don Juan, a exemplo, de Hariel, alterna letras de duplo sentido com outras mais suaves – ultimamente ele conquistou o público infantil. Sabiamente, ele avança o funk para outras musicais.

A dupla sertaneja Maiara & Maraísa, o rapper Djonga e o DJ Dennis estão entre seus últimos parceiros. Don Juan, se nos perdoem o trocadilho, é um sedutor nato: atualmente tem 8 milhões e 555 mil inscritos em sua plataforma no Spotify e seu canal no YouTube conta com 878 mil inscritos.

Funk do Rio X Funk de SP

Ambos cantores, são ícones do Funk de São Paulo, que embora tenha a mesma raiz tem diferenças grandes com o Funk Carioca. No geral, o Rio de Janeiro, matriz do Funk, hoje é adepto de um estilo frenético, o das 150bpms. Já em São Paulo, o gênero se funde a outras escolas musicais, como o Forró e até o Sertanejo.

No quesito letras, os cariocas por muito tempo apostaram no duplo sentido e no proibidão, uma vertente cujas letras faziam referências explícitas ao sexo e a uma visão digamos, glamurosa, do mundo do crime. São Paulo explodiu o funk ostentação, com um discurso materialista, mas também nunca deixou o sexo e o duplo sentido de lado. Um tipo de verso que hoje se faz presente no trap, gênero oriundo do rap e que foi adotado por muitos dos funkeiros paulistas