Manu Gavassi fez uma imersão em seu interior e inspirara, lança o novo álbum “Gracinha”.

Ao longo de anos, Manu teve de lidar com críticas sobre suas músicas e até sobre sua voz que alguns diziam ser de princesa ou muito aguda. Isso a levou a ter que lidar da melhor forma com isso e inclusive, fazendo terapia.

Após tanto buscar se conhecer melhor, a artista entrega seu novo projeto, que mostra sua maturidade e mostra que ela conseguiu aprender a ser feliz e plena e a lidar bem com a suas próprias inseguranças, medos e imperfeições.

“Vejo esse meu álbum como um grande brechó… E acho que me vejo assim também. Tenho referências de todo tipo, de Hannah Montanna a Molejo, passando por Françoise Hardy. E acho que vou continuar fugindo das categorias que tentam me colocar. Ninguém é uma coisa só. Essa é a magia”, conta Gavassi sobre o projeto com produção musical de Lucas Silveira (do Fresno).

Capa do álbum “Gracinha”

Abrindo o projeto a música título, “Gracinha” começa em voz e piano e com o decorrer da canção ganhar novos elementos instrumentais. Uma faixa sobre conseguir olhar para dentro de si e entender quem se é, independente da opinião alheia. Destaque para a participação de Tim Bernardes e do pianista Amaro Freitas.

A já conhecida “Eu Nunca Fui Tão Sozinha Assim”, com participação de Voyou que traz um Rap em francês, é bem Pop, com um toque de R&B e um arranjo muito bem construído. A letra fala sobre se sentir sozinha, apesar de estar cercada de tanta gente, gente que nem se sabe se gosta mesmo de você. Quem nunca passou por isso?

Trazendo como tema um relacionamento complexo, “sub.ver.si.va” é pop e tem uma mensagem bem direta e desenrolada. Uma letra muito inteligente.

Foto: Gabriela Schmidt

Uma curiosidade é o título da música “Reggaeton Triste”. Era pra ser provisório e mesmo não fazendo nenhum sentido com a letra, foi mantido por Manu. A canção com participação de Vic Mirallas, apresenta trechos em espanhol e um arranjo melódico e mesmo com influência de Reggaeton, bem brasileiro. Sobre ter uma segunda chance pra um amor que te fazia se sentir segura e leve.

O álbum a traz também a participação especial de Alice et Moi em “Tédio”. Essa canção divertida, chega com um toque de elementos eletrônicos e fala sobre um amor, que não era amor, era tédio. Mais uma canção com partes em francês.

Foto: Gabriela Schmidt

Manu trouxe uma linda e singela homenagem à sua irmã mais nova, “Catarina”. Uma canção com letra carinhosa e doce, sobre a irmã, que segundo a cantora, foi o seu primeiro amor. Encantadora!

Encerrando com chave de ouro o disco, “Cansei” chega pra mostrar que Manu mais do que nunca, não tem medo de ser ela mesma e não liga pra julgamento. A letra profunda, fala de quando você se perde em si mesmo de tanto ouvir as pessoas dizendo que você é isso ou aquilo, a ponto, de inclusive, acreditar que isso tudo é verdade. E depois disso tudo, você para pra olhar pra dentro de si e se conhecer mais, e consegue assim, conhecer seu verdadeiro eu e se sentir mais seguro e pleno.

Foto: Gabriela Schmidt

O novo trabalho de Manu Gavassi é encantador e gracioso. As canções (todas autorais) são deliciosas de ouvir e todos os arranjos casam muito bem com a voz gostosa da cantora.

Manu mergulhou dentro de si e trouxe letras incríveis e um álbum pop, que ao escutarmos entramos em contato com o retrô e ao mesmo tempo com a modernidade. As sonoridades únicas, mostram a capacidade da artista de a cada álbum, se renovar e assim conquistar ainda mais todo seu público e novos fãs. Uma mulher e artista que não tem medo de arriscar e fazer algo diferente. E o melhor autêntica, sendo assim uma grande inspiração.

Vale lembrar que no dia 26 de Novembro no Disney+ estreia o álbum visual de “Gracinha”, que mistura filme e música, que contam uma história embalada por Manu Gavassi.