Celebrando o mês da consciência negra, BK, Léo Santana, Mahmundi e Martinho da Vila lançam a empoderada “Celebrando as Origens”

O encontro inédito, que reuniu diferentes gerações e gêneros musicais (Pop, MPB, Rap e Samba) faz uma reverência à cultura negra, com direito a um clipe que reúne esses cantores incríveis, com direção de Matheus Senra.

“Eu sou uma mina que não era pra estar aqui, nesse tempo, fazendo essa campanha massa, com artistas que admiro muito. Dirigir o Martinho da Vila em estúdio, dirigir o Léo Santana online, falar com o BK, que é um parceiro da mesma geração, é colocar todo mundo junto numa música que faça sentido. Eu tô muito feliz com esse projeto. Adorei trabalhar com esses talentos; sou muito apaixonada por eles. E ser autêntica para mim é isso, é se ouvir, não esquecer de quem você é e lembrar todos os dias de quem você pode ser”, celebra Mahmundi.

Martinho da Vila, artista gentilmente cedido pela Sony Music, conta sobre suas origens e o poder da música em transformar a história: “Minha origem, obviamente, do lado negro, é africana. Os meus antepassados vieram e eu fui lá. Eles foram trazidos e eu fui voluntariamente. Cheguei à conclusão que é o lugar da essência do meu trabalho. A música tem um poder inovador e todas as transformações que aconteceram no mundo a música caminhava junto. Músicas são usadas para alavancar as transformações; elas têm o poder de transformar, agregar puxar, interagir, porque ela entra por nossos poros, pelos nossos ouvidos”, diz o veterano sambista, que também comentou sobre o encontro com os três jovens talentos: “Gosto muito de interagir com o novo. Esses três também me enriqueceram. Eles cresceram me ouvindo e eu começo a ouvir uma coisa que eles criaram diferente. Eles são a continuidade”, afirma o veterano sambista.

Já BK comemora, “Não tenho como falar sobre as minhas origens e referências sem citar a minha mãe, Dona Ana Gomes. Não só falando de escola, de caráter – é óbvio –, mas todo esse ‘rolé’ de se entender como um homem preto na sociedade. Eu nasci dentro disso, a minha mãe ia para o encontro de mulheres pretas, quando ela estava grávida de mim já fazia parte. Satisfação de estar ‘trampando’ com Mahmundi, Martinho da Vila e Léo Santana. É tipo subir de cargo, tá ligado? E para mim ser autêntico é sobre isso, mostrar você, sua personalidade, sua essência mas sem esquecer sua essência, sua família. Mostrar quem você é no sentido da palavra”.

Léo Santana fala sobre a importância da música e de novas possibilidades que ainda devem ser desbravadas. “A gente precisa ter mais esse espaço para as pessoas periféricas, pretos mais especificamente. Mas estamos crescendo e temos muito a evoluir. Eu acho que a música contribui muito para isso. Resumindo: a música revigora, move montanhas, salva vidas”.

A canção, produzida por Mahmundi e escrita por ela em parceria com BK, exalta a força, a beleza, a autenticidade e a resiliência do povo preto. Uma parceria entre Universal Music e a plataforma True Music de Ballantine’s, que tem como objetivo ressaltar, através da música, a importância da autenticidade.

Nesse projeto específico a ideia é promover um encontro de quatro artistas autênticos, de diferentes gêneros musicais, que se mantêm fiéis às suas origens e referenciam grandes ícones da cultura negra, mantendo e reverberando a suas respectivas essências e verdades próprias.

O projeto contará ainda com um minidocumentário, apresentado em quatro episódios, no qual Mahmundi, Martinho da Vila, BK e Léo Santana relatam sobre suas origens, referências e conquistas e como mantém identidade e autenticidade da sua arte até hoje.