Essa semana tem dois lançamentos incríveis do cantor, compositor, roteirista e diretor Rodrigo Bittencourt.

Dia 10 de Junho estreou nos cinemas “Missão Cupido”, filme que ele escreveu, dirigiu e fez a trilha sonora e o dia 11 marca a estreia do single “Jaboticaba”, em parceria com Zeca Baleiro.

O Portal Me Gusta, teve a felicidade e o privilégio de entrevistar Rodrigo. Ele contou detalhes do single novo e falou de sua carreira, do filme novo e sua arte.

Foto: Antonio Brasiliano

A seguir, saiba na íntegra, tudo que este artista super talentoso contou:

Portal Me Gusta: Como surgiu seu amor pela música?

Rodrigo Bittencourt: Meu amor pela música surgiu por causa de meu avô Jurandir, que compunha marchinhas de Carnaval e por causa também de meu pai que cantava muitissimo bem. Eu nenino na casa de meu avô, que já havia feito a passagem, tinha um piano na casa dele e da vó e um violão. Eu vi o violão e comecei a tentar tocar. Meu pai viu e me colocou em uma aula e assim comecei, com uns 8 anos.

Me Gusta: Como se dá seu processo de composição e quais suas inspirações?

Rodrigo: Meu processo de criação se dá de varias maneiras. Sendo eu apaixonado por alguém, ou tendo terminado com alguém, ou lendo um livro, ou escrevendo poemas, ou simplesmente sentindo a necessidade de compor e de me expressar através da canção. Minhas inspirações são muitas: um amor, uma viagem, uma notícia ou as coisas que me comovem.

Capa do single “Jaboticaba”

Me Gusta: Como surgiu a música “Jaboticaba” e a parceria com Zeca Baleiro?

Rodrigo: Jaboticaba: olhos de jaboticaba, olhos de um Brasil amargo e doce ao mesmo tempo. De um Brasil ferido, que se cicatriza, mas que abre a mesma ferida repetindo um padrão nefasto, que vemos desde a escravidão. Eu espero que a musica atravesse e ajude atravessar isto. Veja, desde de muito, minha carreira no Cinema, na Literatura ou na Música falo do Brasil. A música que fiz, cinema americano, conhecida em todo país, fala do Brasil. “Jaboticaba” vai fundo em nossas questões raciais e interraciais e promove o amor entre as raças, como venho realizando na minha carreira. Veja, a segunda canção que vou lançar depois de “Jaboticaba” se chama “Marielle”. E também aborda o Brasil e as questões raciais. Mas aprofunda o que é o ser do Brasil. A mensagem que Zeca Baleiro e eu queremos passar (porque ele também, assim como eu, sempre foi interessado pelo Brasil e nossas questões) é que o amor vingará, não no sentido de Vingança, mas no sentido de vingar, crescer, se estabelecer. Como a coisa profunda que nos levará além. Comecei a compor com Zeca Baleiro, por causa de nosso reencontro pela vida. Moramos no mesmo bairro e começamos a compor e foi dando certo, até que Zeca me convenceu de gravar um disco e virou assim, meu padrinho na música e meu diretor artístico.

Me Gusta: Você também é diretor e roteirista. Como surgiu essa outra faceta artística?

Rodrigo: Ser diretor e roteirista surgiu sem querer. Eu tinha um projeto de muito sucesso com a poeta e montadora Maria Resende na Casa de Cultura Laura Alvim no Rio de Janeiro. Uma vez fizemos um especial para Ferreira Gullar, um dos nossos poetas preferidos e fizemos uma entrevista na casa dele. Ele nos disse ser a melhor entrevista que deu e que ela, a entrevista, daria um curta. Assim fizemos o curta com ele e Maria Bethânia. O curta foi um sucesso e daí não parei mais de realizar filmes.

Pôster do filme “Missão Cupido”

Me Gusta: Como está a expectativa pro lançamento de “Missão Cupido,” e como foi fazer o filme?

Rodrigo: Eu não tenho expectativas em relação a lançamentos. Eu tenho mais quando estou criando um projeto pela expectativa de realizar ele. Fazer esse filme foi ótimo e tive uma produtora ótima e atores também e a equepe toda do filme. É um filme que fala sobre o amor. Eu gosto do amor.

Me Gusta: Dentro do que pode contar, quais os próximos passos da carreira?

Rodrigo: Eu tenho uma série em que estou trabalhando, sobre o universo feminino nos anos 30 no Brasil. Está ficando bonito. Vou lançar também meu livro novo pela Editora Hanoi. “Missão Havana” é um livro que escrevi em Cuba. E também vou lançar muitas músicas esse ano com Zeca Baleiro.

Foto: Antonio Brasiliano
Foto: Antonio Brasiliano