Toquinho e Caetano Veloso lançam nova e deliciosa versão de “Tarde Em Itapuã”.

As duas lendas da MPB se uniram na releitura deste clássico para o projeto de regravações de sucessos de Toquinho, programado para 2023. “Tarde em Itapuã foi uma música importante porque eu conquistei a confiança do poeta Vinicius de Moraes, musicalmente, no começo da parceria. Ele tinha uma diferença de idade para mim razoável. Eu tinha 22 anos quando comecei a trabalhar com ele, e ele já era o grande Vinicius, parceiro de tantos grandes músicos. Ele fez um poema numa máquina de escrever na praia de Itapuã, em uma casa que ele alugava. Eu vi aquele poema e me ofereci para musicá-lo e o Vinicius, não repreendendo, mas quase, disse: ‘Você tem 22 anos, eu vou dar para o Dorival Caymmi essa música’. E o Dorival Caymmi, tinha que se respeitar. Então, eu roubei o poema, fiz uma música, e depois que ele (Vinicius de Moraes) ouviu várias vezes, me chamou e falou: “Agora não vou dar para o Dorival, vai ficar assim mesmo”. Nesse momento acho que foi a música mais importante da minha relação com Vinicius, porque eu conquistei a confiança dele”, afirma Toquinho.

Sobre a escolha de Caetano, o cantor revela, “Caetano Veloso é baiano, tem aquela denguice da Bahia e é um grande amigo que eu conheço há mais de 50 anos. Praticamente começamos juntos, dormiu na minha casa no começo da carreira dele em São Paulo, é um grande amigo que tenho, e caiu como uma luva em ‘Tarde em Itapuã’, principalmente por se relacionar com uma praia da Bahia, e é um homem que representa a Bahia de forma definitiva”.

Caetano, por sua vez, diz que topou na hora o convite. Segundo ele, “Chegou um recado dele. Depois um telefonema. Amo Toquinho desde que o conheci. Topei logo. ‘Tarde em Itapuã’ é um samba único, escrito por um carioca e um paulista sobre um ponto mítico da Bahia. Fico feliz de cantá-lo desde que ele foi lançado”.